educação

Estado do Pará: a pior educação do País


 

A Deputada Elcione Barbalho fez um pronunciamento, na Câmara dos Deputados, em que chama a atenção das autoridades para os indicadores que colocam o Pará entre os estados com a pior educação do País:

 

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares,

A melhor frase que ouvi nos últimos tempos foi: quem abre uma escola, fecha uma prisão. Quando eu abro os jornais leio que no Pará 165 MIL crianças e jovens estão fora da escola eu tenho certeza absoluta que essa frase retrata a realidade.

No Pará, três em cada dez alunos abandonam a escola. O Estado tem o pior indicador de alunos que concluíram a educação básica e, no ensino fundamental, ocupa a segunda pior posição do Brasil. Vinte mil jovens paraenses concluíram o Ensino Médio, mas pararam de estudar. Três em cada dez alunos abandonam a escola. Em relação ao aprendizado de Português e Matemática, outro índice ruim, os estudantes paraenses estão entre os piores do País. Todos esses dados constam no relatório do movimento Todos Pela Educação referente ao cumprimento das metas para o biênio 2013-2014.

Estamos bem distantes do nosso ideal: as nossas escolas estão degradadas, sem condições adequadas para receber nossos estudantes. Nossos professores vejam que absurdo, estão tendo que comprar material do próprio bolso!

Isso sem falar do descontentamento, da desmotivação, da falta de remuneração. Não precisamos de leis novas, precisamos sim cumprir o que a legislação já garante. Precisamos cumprir as metas do Plano Nacional da Educação e aplicar os recursos com transparência, seriedade, ética e eficiência! Precisamos de vontade, empenho do Governo do Estado para que sejam implantadas ações imediatas e efetivas, para que os jovens que estão hoje no sistema tenham garantido o seu direito constitucional ao aprendizado e à educação.

Senhor Presidente, a criminalidade está diretamente relacionada à falta de oportunidades que nossos jovens vivenciam diariamente.

Sem acompanhamento dos Pais, que são submetidos a uma dura jornada de trabalho para sustentarem seus filhos, milhares de meninas e meninos são presas fáceis na mão dos traficantes. Levantamento feito pela Secretaria de Direitos Humanos identificou que setenta por cento dos jovens infratores, hoje, estão envolvidos com o tráfico e com latrocínio. Uma coisa puxa a outra!

Se o Pará fracassa no pacto pela educação, se não consegue manter suas crianças, adolescentes e jovens na escola, se não consegue oferecer condições dignas para professores e alunos dentro do ambiente escolar, é o Estado que tem o dever e a obrigação de mudar essa realidade. Então quero lembrar mais uma vez, senhor presidente, senhoras e senhores deputados, quem abre uma escola, fecha uma prisão!

 

Muito Obrigada, Deputada Elcione Barbalho

Compartilhe: